PlayMaker Scouts Brasil

Desventuras de um dia de FIFA The Best

Com a eminente escolha do melhor do mundo em 2019, o The Best da FIFA é o assunto do mundo da bola de hoje.

E para endossar as polêmicas que cercam os prêmios individuais sobre o melhor do planeta. Contudo, trarei aqui um assunto pouco debatido em cima dessa data tão importante.

Afinal, por quê não há a mesma pressão para que Van Dijk ganhe o prêmio como houve com Modric ano passado?

Há sim, um certo burburinho por parte dos fãs de Cristiano para que o holandês vença e cause, indiretamente, uma justiça dentro da injustiça feita com o português em 2018.

Mas esse ano é diferente. Não há uma comoção popular para que Van Dijk vença. Não há, sequer um discurso particular do holandês sobre um possível prêmio em suas mãos. Do contrário acontecido com o croata ano passado. Van Djik assumiu publicamente que quem merece o prêmio é Lionel Messi, e que ele, o holandês, irá concordar plenamente caso esse seja o resultado de hoje.

Esse tipo de discurso não é apenas humilde, mas também realista e coerente. Van Dijk não quer endossar à sua galeria um prêmio que possa lhe trazer uma má fama, como aconteceu com Modric. O homem que ganhou um prêmio sem merecê-lo.

Mas voltando a pauta inicial, qual o real motivo do mundo da bola não estar pressionando para que Van Dijk vença este prêmio? E quando me refiro a mundo da bola, falo de torcedores, fãs, jogadores, jornalistas e figuras ilustres do futebol.

Penso eu que esse ano a maior justiça não é corrigir uma injustiça, e sim retomar o critério de eleger apenas o melhor. E acho também que em 2018 o mundo da bola não estava receptivo para uma virada de jogo histórica de Cristiano sobre Messi. O português, caso tivesse vencido, teria 6 prêmios de melhor do mundo contra 5 do argentino, o que automaticamente traria um impacto imediato de que ele seria o melhor entre os dois, contrariando uma imensa e massiva opinião popular de que o argentino era o melhor, independente dos prêmios.

O incrível e imprevisível The Best 2019

Pois bem, 2019 chegou e Lionel Messi, para mim, é franco favorito para ganhar os prêmios da FIFA e da France Football, condizendo assim com seu status de melhor da história, tanto pelo discurso popular, quanto pelo número maior em prêmios com relação ao seu concorrente.

O fato é que pode até dar Van Dijk hoje, mas o que se espera é que Messi seja eleito o melhor do mundo pela sexta vez e que isso seja aceito de forma dócil pelo mundo da bola, sem contrariar a opinião pública, o que iria acontecer se Cristiano tivesse ganho ano passado.

Van Dijk não quer ser o segundo bode expiatório dessa disputa, Cristiano vai à premiação apenas para presenciar o óbvio, e Messi, pois bem, ele vai lá para receber o que é seu pelo que é de fato e direito. Porque ele é o melhor, não há sentido em consertar um erro com o outro. Messi deve e espero que vença!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PlayMaker Noticias Sports