PlayMaker Scouts Brasil

Tudo que precisamos ter com o Chelsea é um pouco de paciência

Chelsea

Em três jogos oficiais na temporada o time do novato e ao mesmo tempo veterano Frank Lampard demonstrou muita entrega e inúmeras deficiências. Certamente tudo o que precisamos nessa hora é de um pouco de paciência com os garotos do Chelsea.

Primeira impressão que tivemos deste novo Chelsea

O time londrino se divide em Eras.

Pré-Abra onde o clube era só mais um time londrino de tradição e pós-Compra quando o time se tornou um dos gigantes europeus com inúmeros títulos. Contudo, ainda há de se notar as pequenas eras que passaram por ali. A Era Mourinho onde o clube entrou de vez no hall dos grandes e a atual, onde o Chelsea parece não se encontrar com diversas mudanças de direção e comando.

Certamente a mudança anual de técnico é um dos fatores que fizeram o céu não ser mais azul.

Frank Lampard é o quarto técnico nos últimos 5 anos de clube. Enquanto o Liverpool, City e Tottenham estão há pelo menos 3 anos com seus treinadores em curso. Isso influi, e muito, na montagem e na manutenção de um elenco. Ainda mais que agora por sua vez está mais curto e com poucas peças de reposição dada a punição sofrida pelo clube.

A primeira impressão que temos desta temporada é que Frank Lampard não é Sarri e muito menos Conte.

Lampard tenta praticar com esse elenco um futebol de pressão total seja qual adversário for. Contudo, com o elenco reduzido e cheio de jovens isso pode ser algo perigoso.

Com pouquíssimo tempo de trabalho, nota-se que alguns nomes se incomodaram com a presença do ídolo, um deles já deixou o plantel de forma surpreendente.

chelsea-mount
Mason Mount vibra com seu primeiro gol na temporada (FOTO: Mirror/UK)

A tão sonhada Era da Base chegou?

Chelsea é o time que mais investiu na base após a sua compra no início dos anos 2000. São mais de 100 nomes neste período trazidos justamente para auxiliar na reposição do plantel, porém, houveram erros na formação e no aproveitamente. Alguns nomes que vieram bem novos não foram utilizados de forma correta como Robben ainda na era Mourinho, Salah e De Bruyne já na segunda passagem do português e alguns outros nomes.

Certamente esses nomes fazem falta no elenco atual, todos seriam titulares em todos os elencos que seguiram suas passagens.

Atualmente Frank Lampard trouxe alguns nomes que estavam emprestados e não tinha perspectiva de serem utilizados até então (momento que o clube sofre com uma punição da FIFA e está impedido de contratar até o Verão de 2020).

Mason Mount, Tammy Abraham e Tomori são nomes que foram formados na base do clube e vem recebendo chances no elenco dos blues, assim como Zouma que também retornou de empréstimo.

Mount foi o primeiro a marcar com a camisa dos blues nesta passagem, Abraham teve algumas chances, mas esbarrou em De Gea na sua estreia e na trave. Assim como em Adrián em seu segundo jogo.

Tomori ainda parece ser a quarta opção da zaga, atrás de Rudiger, Zouma e Christensen.

A torcida está empolgada. Mesmo que o time não tenha vencido ainda com 2 empates e uma derrota (dolorosa por sinal). Os Blues acreditam no seu ídolo e treinador Lampard e em sua filosofia que já pode ser vista em Stanford Bridge.

Contudo, o que deve se salientar é que a diretoria nunca foi muito paciente com técnicos. Vide o próprio Sarri que quase foi sacado ainda no meio da última temporada. Lembrando também do carismático e enérgico Conte que sempre teve sua forma de atuar contestada pelos locais.

Frank Lampard estreou diante de um Stanford Bridge em festa (FOTO: Blues/CFCz)

O que esperar do Chelsea de 2019/20?

Mermo remendado e impossibilitado de se curar, o Chelsea está na Champions League e tem uma camisa pesada no cenário para zelar. Com isso, Frank Lampard deve suar a camisa e colocar este elenco que ainda é muito competitivo nos trilhos.

Com Kanté, Azpilicueta, Willian, Pedro, Jorginho e Pulisic, dá para se esperar algo mais do que temos visto do time londrino.

O esquema agrada a todos, nos três jogos que acompanhamos o time foi equilibrado em determinado momento. Contudo, falha até infantilmente quando defende.

Isso tem que ser revisto. Talvez a volta do titular Rudiger e uma retomada dos eixos de Azpilicueta podem pôr o Chelsea em outro rumo.,

 

Por Juan Carlos Dias

Confira nossa aba da NFL  e NBA 

Confira a crítica de Rony Corona sobre o Jornalismo Esportivo BR.

A Chelsea FC Brasil, um obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PlayMaker Noticias Sports